Como reduzir os riscos para que a sua moto fique conservada

Como reduzir os riscos para que a sua moto fique conservada

Descubra como reduzir os riscos para que a sua moto não seja desvalorizada com o passar dos anos

1. Ateria – Retire o fusível central, geralmente o de maior tamanho. Assim, todo o sistema elétrico ficará desligado enquanto a moto estiver parada. Depois, desconecte primeiro o pólo negativo e depois o positivo. Desta forma estará poupando a vida útil da bateria.
2. Pneus – Levante a moto, de preferência usando um macaco, evitando neste caso que a parte de apoio dos pneus fique deformada. Lembre-se de colocar a trava de segurança do macaco, se houver. Deixe-os com uma calibragem entre 20% e 30% acima do recomendado no manual.
3. Ambiente de guarda da moto – evite contato direto com o ambiente (chuva, sol, poluição e umidade). Se for utilizar capas de proteção, fique atento, pois capas sem forração interna apropriada, associada à umidade e ação do sol poderão provocar manchas no verniz da pintura. Procure, se possível, um ambiente sem insolação e sem umidade.
4. Outros itens a observar – Faça uma checagem completa na pintura, pneus, borrachas e motor. As correias e correntes podem sofrer deterioração após muito tempo paradas, necessitando uma verificação especial.
5. Dependendo das condições e modelos, a moto pode ter mais ou menos problemas se ficar muito tempo parada. A recomendação é que após um longo período parada, mesmo seguindo essas dicas, seja feito um check-up completo em uma oficina mecânica. Mas a melhor recomendação é não deixar a moto parada. Se for viajar, vá de moto.
6. Combustível – para motos que têm tanque de metal, a recomendação é deixar o tanque cheio para evitar a oxidação. E substituir toda a gasolina antes de colocar a moto em funcionamento. Alguns especialistas recomendam abastecer com gasolina Podium, que tem maior prazo de validade.
7. Óleo do motor – a recomendação é trocar o óleo a cada seis meses, ou trocar o óleo de todas as peças antes que o motor volte a funcionar.
8. Fluído de freio – também tem características higroscópicas (absorve umidade), necessitando a substituição do fluido assim que possível, principalmente se o veículo estiver parado por mais de um ano.
9. Disco de freio – se a sua moto tem trava de freio, que funcionam como o freio de mão dos carros, deixe-a destravada. Ao voltar a usar a moto, experimente os freios com cautela e de forma suave para não ter surpresas de pinças e cilindro de rodas travarem.
10. Peças de borracha – faça uma inspeção minuciosa para ver se não tem alguma delas com rachaduras antes de colocar a moto para funcionar. Não coloque óleo ou outro produto sobre elas. Somente uma boa lavada antes da parada e outra antes de funcionar.

Cuidados essenciais com a sua motocicleta são indispensáveis para uma boa conservação
Observar o chão do lugar onde a moto fica estacionada em busca de manchas é o procedimento mais óbvio. Se há pingos, descubra de onde eles vêm. Se o motor não tiver sinais de vazamento evidentes, mas apenas locais úmidos, “babados” (nos quais frequentemente a fuligem adere e forma sujeirinha), o mecânico deve avaliar. Pode ser o caso de substituir juntas cansadas ou ver se tal perda não ocorre por conta de uma bem mais grave trinca no metal.
Grave mesmo será se a ponteira de escape estiver úmida e, quando o motor for acelerado, dela sair fumaça. Este é o sinal que está na hora de uma retífica, ou ao menos uma troca dos anéis e verificação da vedação das guias de válvulas.
Embreagem BMW
Embreagem deve ser poupada
2) Mão ‘colada’ na embreagem
Mão colada na embreagem
Quanto menos usada for a embreagem, mais ela vai durar. E, por “usada”, entenda acionada. Parou no semáforo? Habitue-se a colocar o câmbio em ponto morto. Ficar com a mão apertando a alavanca de embreagem só se justifica se você souber que o sinal vai abrir rapidamente.
Outra coisa que “mata” a embreagem é o (mau) hábito de usá-la para dar a famosa “queimada” para fazer a rotação do motor subir levemente, o que pode até ser necessário em algumas situações (sair em uma rampa muito íngreme ou passar por um obstáculo de maneira suave, evitando trancos na transmissão). Porém, o melhor mesmo é usar a embreagem o mínimo e aprender a dosar o acelerador de modo correto.
Fique por dentro das corridas mais famosas de motociclismo do mundo.
Emoção, risco, velocidade, velocidade e mais velocidade… Provas de corrida envolvendo motos possuem um público extremamente fiel, que gasta horas e dias se dedicando ao acompanhamento das principais provas sobre duas rodas. Sabe quais são as 5 corridas de moto mais conhecidas do mundo? Confira na galeria! 2 de 6 © Divulgação A Moto GP é a categoria máxima do motociclismo e engloba 18 provas em uma temporada, além de ser a competição de esportes motorizadas há mais tempo em atividade – desde 1949. O Brasil já teve provas no circuito sediadas em Goiânia, São Paulo e, por um bom número de temporadas, no Rio de Janeiro, mas atualmente não conta com um Grand Prix na Moto GP. A principal estrela da categoria ainda é o italiano Valentino Rossi. A categoria é no mundo das motos o equivalente à Fórmula 1 no mundo dos carros de corrida. 3 de 6 © Divulgação Uma das corridas de moto mais tradicionais do planeta é a Isle of Man Tourist Trophy. E é também uma das provas de velocidade mais perigosas entre todas as corridas, incluindo carros. A corrida é realizada na Ilha de Man, localizada entre a Irlanda e a Grã-Bretanha, e as motos passam dos 300 km/h (com médias próximas a 200 km/h ao longo da prova) em meio a curvas, muros e imperfeições das estradas que cortam a ilha. Dezenas de pessoas já morreram na prova, incluindo além dos pilotos os fãs e profissionais que trabalhavam no evento. 4 de 6 © Divulgação Outra categoria que entra para a lista é a Superbike, com o seu popular Campeonato Mundial. Disputado desde 1988, o Mundial de Superbikes consiste em duas etapas, cada uma com duas provas. O resultado de cada prova é combinado para determinar dois campeões mundiais por temporada, sendo um título para o corredor e outro para os construtores. As motos usadas são modelos que estão à venda no mercado, mas mexidas especialmente para esse tipo de prova e para atingir grandes velocidades. Suzuki, Honda, Ducati, Asprilla e BMW são algumas das marcas que competem. 5 de 6 © Divulgação A North West 200 acontece uma vez por ano, mais precisamente em maio. O evento dura uma semana e é realizado em um circuito de rua que corta vias de três cidades da Irlanda do Norte: Portstewart, Coleraine e Portrush, cujo trajeto tem formato de triângulo. É também uma das provas mais rápidas do mundo, com as motos ultrapassando os 300 km/h em alguns pontos. Assim como a Isle of Man, a North West 200 já registrou mortes, mas não em números tão altos como os da prova da outra ilha britânica. 6 de 6 © Divulgação Essa é para os fãs de barro e circuitos cheios de terra e lombadas. O Mundial de Motocross é a grande prova da categoria, organizada pela FIM (Federação Internacional de Motociclismo). São 18 provas por temporada, com apenas um circuito aqui na América do Sul: o da Argentina, na cidade de Neuquén. Quem domina a modalidade são os belgas, com mais de 130 medalhas no total e uma vantagem considerável para os também competentes suecos, britânicos e italianos, que ainda não passaram da marca de 60 medalhas. MAIS GALERIAS MOTOS