Veja de perto quais são as motos mais caras do Brasil

Veja de perto quais são as motos mais caras do Brasil

Antes de listar as 10 melhores, é interessante que fique claro quais são os critérios de escolha de uma boa moto de Motocross.

 

No Brasil, infelizmente, quase não existe essa linha cronológica, pois os atletas começam muito tarde e acabam não tendo tempo de ser iniciantes. Dessa forma, os atletas passam direto para os modelos de moto 250f ou mesmo 450, que é a última evolução do esporte para os norte-americanos.
1º Yamaha Wr 250 F – Essa é a moto de motocross para quem já tem experiência e sabe como pilotar nas condições mais adversas de uma competição. O design da Yamaha Wr 250 F é bastante leve e garante que esse modelo possa passar pelos lugares mais complicados da competição, porém, não é só isso que faz dessa moto uma das melhores para esse tipo de esportividade.
O motor incrível com que é equipada essa moto da Yamaha permite ao competidor atingir altas velocidades em pouco tempo. Uma moto que é perfeita para as competições de Motocross e que já sagrou muitos campeões nessa modalidade.
2º Ktm Sx250f Sxf – Uma das motos de motocross mais caras do mercado, a Ktm Sx250f Sxf, se destaca por ser um modelo versátil que oferece um motor com potência e um corpo leve. Além de garantir um desempenho melhor para o competidor, esse modelo também conta com um design bem interessante.
Essa é a moto de motocross para quem já tem experiência e sabe como pilotar nas condições mais adversas de uma competição. O design da Yamaha Wr 250 F é bastante leve e garante que esse modelo possa passar pelos lugares mais complicados da competição, porém, não é só isso que faz dessa moto uma das melhores para esse tipo de esportividade.
O motor incrível com que é equipada essa moto da Yamaha permite ao competidor atingir altas velocidades em pouco tempo. Uma moto que é perfeita para as competições de Motocross e que já sagrou muitos campeões nessa modalidade.
5º Honda Xr250 Tornado
Durante muito tempo, a Honda Xr250 Tornado não teve concorrência páreo no mercado e reinou sozinha na categoria das motos on/off road. Atualmente, esse modelo foi substituído pela XRE 300, vale a pena conhecer. Esse modelo é interessante para quem tem uma vida dupla, dias de competição de motocross e outros dias na cidade enfrentando o trânsito.
6º Kawasaki Kxf250 – O que torna a Kawasaki Kxf250 uma boa opção para o Motocross é a sua composição feita de boas peças e também a sua leveza. O modelo conseguiu ser mais “sequinho” que muitos outros do mercado. Além disso, essa moto alcança velocidades que a fazem quase voar sobre o terreno. Perfeita para quem já tem domínio da moto e sabe como funciona uma competição mais dura de Motocross.

7º Suzuki Rm 125 2t – A Suzuki é uma das montadoras de moto que possui a maior variedade de modelos e estilos de motocicletas. Dentre todos esses modelos, podemos encontrar boas opções para a prática do Motocross. O modelo Suzuki Rm 125 2t é bastante leve e conta com um motor de bom desempenho sem contar que é uma moto preparada para enfrentar terrenos difíceis.
8º Yamaha Yz 125 – Esse é um dos melhores modelos da Yamaha quando o assunto é motocross, pois foi pensada para garantir mais leveza para a condução do piloto além disso essa moto ainda possui uma relação peso e velocidade que impressiona. Podemos definí-la como sendo uma máquina de motocross perfeita, pois é leve, ágil e uma escolha muito boa para quem está na classe 85 cc.
9º Honda XRE 300 C-ABS – Outro dos modelos da Honda que não poderia ficar de fora dessa lista das melhores motos de Motocross. Esse modelo é indicado para quem está começando, pois se trata de uma moto para trilhas leves. Pode ser uma boa ideia ter um modelo somente para as trilhas mais leves, pois a Trail Honda XRE 300 oferece ao piloto muito mais segurança e controle.
10º Honda CB 300R C-ABS – A Honda é uma das principais montadoras de motos do mundo e claro que não poderia ficar de fora dessa lista. A City Honda CB 300R merece estar nessa lista por ser a única da sua categoria a possuir freios ABS. Mas, além disso, também é um modelo esportivo que se adéqua perfeitamente a cidade. Um modelo forte que passa com facilidade por terrenos acidentados e que pode ser a sua moto campeã.

Dicas e notícias do mês de agosto para você que gosta de viajar sobre duas rodas.
É comum pegar a estrada para aproveitar o frio do interior do estado, mas é preciso se preocupar com o roteiro da viagem. Antes de mais nada, como a pilotagem costuma ser mais cansativa do que conduzir um carro, é primordial fazer um roteiro com paradas estratégicas para descansar. A vestimenta também é um item externo que precisa ser observado, ainda mais no mês de julho, quando o clima fica mais instável no estado. Roupas e acessórios, como luvas, podem ser o divisor de águas entre um acidente mais feio e apenas algumas escoriações.
– O capacete, nem se fala. É o principal equipamento de segurança para os pilotos. Por isso, antes de viajar, verifique se o seu capacete está em bom estado e com os adesivos reflexivos e selo do Inmetro visíveis.
– Estar com a revisão em dia é importante antes, durante e depois da viagem de férias. A motocicleta precisa estar com pneus em bom estado e calibrados seguindo as recomendações do proprietário, tanque abastecido com combustível de qualidade, bom nível de óleo e todas as lâmpadas funcionando. E quem melhor para garantir isso do que o seu mecânico de confiança?
Aquele kit de ferramentas essenciais precisa estar completo e em dia. Como diria o ditado, melhor prevenir do que remediar. Sendo assim, antes de qualquer coisa, é preciso verificar quanto espaço existe na motocicleta e saber se o equipamento de manutenção levado corresponde aos itens da sua moto. Por exemplo, não adianta carregar uma chave fixa de 5/8” se não houver nenhum parafuso correspondente na moto.
O melhor amigo de todo motorista e piloto é o manual do proprietário, é nele que estão todas as especificações do veículo. Para conhecer melhor a sua motocicleta, o DP Auto indica conhecer bem o manual. Desta forma, será mais fácil diagnosticar o problema para o reparo ou na hora de pedir ajuda a um mecânico. Em viagens mais longas, ou quem quer aproveitar ao máximo o tempo de descanso, é comum o piloto pegar a pista à noite. O que não é recomendado. Mas, caso não dê pra evitar, a dica é atenção redobrada, já que a visibilidade fica comprometida. Moto pronta, equipamento revisado, roteiro finalizado. Hora de pegar a estrada. A última, e talvez mais importante dica é: respeite as sinalizações e os limites de velocidade. Dessa forma, a viagem tende a seguir tranquila e segurança. O importante no fim de tudo são as boas histórias para contar na volta para a casa.